Musical “Silvio Santos Vem Aí” reestreia em São Paulo, a partir de 18/fev

Apresentada pela Paris Cultural, a comédia musical volta em cartaz no dia 18 de fevereiro no palco do Teatro Raul Cortez, em São Paulo.

Foto: Adriano Dória

Com texto de Marília Toledo e Emílio Boechat, direção de Fernanda Chamma (que também assina a coreografia) e Marília Toledo, além de direção musical de Marco França, a comédia musical Silvio Santos Vem Aí faz nova temporada no Teatro Raul Cortez, em São Paulo, de 18 de fevereiro a 10 de abril de 2022. 

O espetáculo faz um recorte na vida do apresentador e empresário Senor Abravanel (vivido pelo ator Velson D’Souza) desde sua infância, quando era camelô no Rio de Janeiro, até a década de 90, logo após a consolidação do SBT. Com personagens icônicos como Gugu Liberato, Hebe, Elke Maravilha, Wagner Montes, Bozo, Pedro de Lara entre outros, a peça promete agradar todas as gerações.

O elenco é formado pelos atores Adriano Tunes (Velha da Praça / Nahim), Bianca Rinaldi (Íris Abravanel), Bruno Kimura (Anestesista / Bailarino Russo), Daniela Cury (Rebeca Abravanel / Hebe Camargo), Giselle Lima (Gretchen / Telemoça / Cantora de Rádio), Gustavo Daneluz (Silvio Jovem), Ivan Parente (Pedro de Lara), Ju Romano (Rosana / Telemoça), Juliana Bógus (Aracy de Almeida), Léo Rommano (Atrasildo / Manoel de Nóbrega Alternante), Lucas Colombo (Bozo), Mari Amaral (Mara Maravilha / Telemoça), Paula Flaibann (Elke Maravilha), Rafael Aragão (Alberto Abravanel / Luiz Caldas / Silvio Alternante), Roquildes Junior (Roque), Thiago Garça (Pablo / Bailarino Russo), Velson D’Souza (Silvio Santos), Verônica Goeldi (Boneca Bolinha de Sabão / Telemoça), Vinícius Loyola (Gugu Liberato / Gilliard / Sérgio Mallandro) e Yasmin Calbo (Boneca Bolinha de Sabão / Telemoça).

Para Marília Toledo, fazer um musical 100% nacional é um dos principais desafios deste trabalho e também o seu maior orgulho. “Falar de uma figura tão emblemática da nossa cultura popular, usando a música como fio condutor da história, nos permite uma boa liberdade estética. Isso se dá porque conhecemos bem os personagens ligados ao Silvio Santos, além dos ritmos e canções que acompanharam a trajetória do apresentador e empresário desde sua ascensão profissional até a década de 90, que é a linha cronológica da dramaturgia, escrita por mim e pelo Emilio Boechat”, comenta Marília.

Já Emilio Boechat conta que a peça foi escrita ao longo de um ano e meio. “Investimos um bom tempo levantando uma timeline de eventos importantes na vida do Silvio. Depois jogamos esses eventos dentro da estrutura clássica de um musical. Foi quando decidimos contar a história do Sílvio por meio de um devaneio, como em ‘All That Jazz’. A partir daí, escrevemos poucas cenas juntos. Como era difícil coincidir nossas agendas de trabalho, eu escrevia algumas cenas quando podia e ela também. Pouco antes do início dos ensaios escrevemos juntos as cenas que faltavam. Mas sabíamos que com a entrada do Marco França muitas cenas com diálogos seriam transformadas em música. Era um desejo dos dois que o espetáculo fosse conduzido pelas canções”, comenta.

O ator Velson D’Souza, de 35 anos, foi o escolhido para interpretar Silvio Santos – ele trabalhou no SBT em novelas como ‘Cristal’, ‘Revelação’ e ‘Vende-se Um Véu de Noiva’, e com o próprio apresentador no Programa Sílvio Santos. Para se preparar para esse papel desafiador, ele conta que tem procurado fugir da caricatura do homenageado, que já foi imitado por tantas personalidades.

“Estou tentando partir da desconstrução. Minha abordagem é olhar as situações da vida dele com o máximo de verdade, da maneira mais próxima de mim, do que eu vivi e me colocar no lugar dele. Acho que a convivência com ele ajudou bastante, sobretudo para perceber que ele é daquela forma que conhecemos mesmo quando não está em cena. E trazer um pouco da voz do Silvio, sobretudo do timbre. Não para ficar aquela coisa carregada, mas para termos uma pequena diferenciação de quando é o showman e quando está conversando com outras pessoas fora de cena, como, por exemplo, com Manoel da Nóbrega. O grande lance é não ficar aquela caricatura do Silvio Santos que todo mundo faz. E isso também funciona para o gestual. Tem a questão da mão, que é muito presente, toda aquela postura altiva e elegante do Silvio. Eu acho que temos que entender isso e atravessar. Quando ele era jovem, provavelmente não era igual ao que é hoje. Mas temos que fazer algo que lembre como ele é hoje”, revela o ator.

Antes do início do espetáculo, haverá um pré-show com diversas atrações do programa Silvio Santos ao longo de décadas no ar, como a “Porta da Esperança”, o “Foguete do sim ou não” e o “Roletrando”, além de um bar com comidas típicas do Domingo no Parque, como salgados, pipoca, refrigerante e algodão doce, entre outros.

É justamente a novidade e o ineditismo que pautam a direção de Fernanda Chamma. “O processo criativo do musical do Silvio está sendo bem bacana. Fechamos um elenco expressivo do teatro musical, então, estou trabalhando com uma liberdade de criação dos personagens de uma maneira bem inusitada e atemporal. Eu não quero rótulos – mesmo que estejamos trabalhando com personalidades bem conhecidas, acho que tudo o que não é previsível será bem aceito. E acho que estamos fazendo um espetáculo com muito ritmo, diversão e um formato diferente. Sempre quero ser diferente e não parar de criar nunca, pois é uma forma de respeito ao público e ao teatro musical. E o Silvio Santos é isto: uma persona única, jamais existiu e nem existirá outra similar. Acho que tem que ter esse ineditismo, humor, alegria e um estilo SBT de se fazer”, explica a diretora.

A trilha sonora é composta por músicas que marcaram a trajetória de Silvio Santos até a década de 1990 e animaram os programas de auditório. “Fazer esse projeto é inevitavelmente olhar para o passado e revisitar minha infância, na qual esse universo não só do programa, mas das músicas – sobretudo da década de 1980 – esteve tão presente. A minha função primeira é ser fiel aos arranjos originais, tentando mudar minimamente, colocando um pouco da minha personalidade, mas sem ferir a identidade dessas canções que estão nesse imaginário e que fizeram parte dessa época. E a outra parte compor canções novas que tenham a ver com a necessidade da dramaturgia. Dentro desse repertório popular que estava presente nas vinhetas do programa do Silvio tem um pouco do jingle publicitário. Para reforçar esse caráter, resolvi trabalhar com o Fernando Suassuna, um grande músico e amigo de infância. Ele escreveu as letras e eu compus todas as canções originais. Acho que todos estão bem felizes com o resultado”, acrescenta o diretor musical Marco França.

Para zelar pela segurança do público e funcionários, Silvio Santos Vem Aí está seguindo as regras determinadas pelas autoridades sanitárias para prevenção da covid-19. O uso de máscara é obrigatório.

SINOPSE
A comédia musical Silvio Santos Vem Aí!, escrita por Marília Toledo e Emílio Boechat e dirigida por Fernanda Chamma e Marilia Toledo, faz um recorte na vida do apresentador e empresário Senor Abravanel de sua infância, quando era camelô no Rio de Janeiro, até a década de 90, logo após a consolidação do SBT. Com personagens icônicos como Gugu Liberato, Hebe, Elke Maravilha, Wagner Montes, Bozo, Pedro de Lara entre outros, e músicas que marcaram essas décadas e animaram os programas de auditório, o espetáculo promete agradar todas as gerações.

FICHA TÉCNICA
Texto: Marilia Toledo e Emílio Boechat
Direção: Fernanda Chamma e Marilia Toledo
Direção Musical: Marco França
Cenografia: Bruno Anselmo
Produção e realização: Paris Cultural

Elenco por ordem alfabética:
Adriano Tunes – Velha da Praça / Nahim
Bianca Rinaldi – Íris
Bruno Kimura – Anestesista / Bailarino Russo
Daniela Cury – Rebeca Abravanel / Hebe Camargo

Giselle Lima – Gretchen / Telemoça / Cantora de Rádio
Gustavo Daneluz – Silvio Jovem
Ivan Parente – Pedro de Lara
Jú Romano – Rosana / Telemoça
Juliana Bógus – Aracy de Almeida
Léo Rommano – Atrasildo / Manoel de Nóbrega Alternante
Lucas Colombo – Bozo

Mari Amaral – Mara Maravilha / Telemoça
Paula Flaibann – Elke Maravilha
Rafael Aragão – Alberto Abravanel / Luiz Caldas / Silvio Alternante
Roquildes Junior – Roque
Thiago Garça – Pablo / Bailarino Russo

Velson D’souza – Silvio Santos
Verônica Goeldi – Boneca Bolinha de Sabão / Telemoça
Vinícius Loyola – Gugu Liberato / Gilliard / Sérgio Mallandro

Yasmin Calbo – Boneca Bolinha de Sabão / Telemoça

SOBRE A PARIS CULTURAL 

Criada pelos sócios Marcio Fraccaroli, Sandi Adamiu e Marilia Toledo, a Paris Cultural é uma empresa cem por cento brasileira dedicada ao desenvolvimento e produção de espetáculos teatrais, musicais e exposições originais focadas em personalidades e temas nacionais. Com a intenção de valorizar dramaturgos, diretores, compositores e outros artistas brasileiros, a primeira estreia foi o musical Silvio Santos Vem Aí, em março de 2019. Acreditando no potencial dos nossos talentos, a Paris Cultural afirma seu compromisso na criação de um legado para a cultura nacional. 

SOBRE O TEATRO RAUL CORTEZ

Site: www.fecomercio.com.br
Facebook: https://www.facebook.com/teatroraulcortez/
Instagram: @teatroraulcortez

Inaugurado como Teatro Fecomercio em 2005, tornou-se um dos principais espaços dedicados ao meio artístico-cultural. Em razão de sua representatividade e, também, em homenagem a um dos maiores atores brasileiros, ganhou, mais tarde, o nome de Teatro Raul Cortez. A versatilidade de suas instalações permitiu, ainda, que o ambiente fosse utilizado tanto para apresentações de grandes espetáculos como para a realização de importantes eventos corporativos e, hoje, sua identidade reúne a imponência de sua estrutura e a grandiosidade do universo teatral.

O teatro já foi palco de peças clássicas e contemporâneas, como “A Tempestade”, de William Shakespeare, que ganhou uma nova montagem sob a direção de Marcelo Lazzaratto; “Dom Juan de Moliére”, dirigida por William Pereira, com Rodrigo Lombardi; “As favas com os escrúpulos”, dirigida por Jô Soares, com Bibi Ferreira e Juca de Oliveira (autor da peça); “As centenárias”, escrita por Newton Moreno, com as atrizes Andrea Beltrão e Marieta Severo; “A saga da bruxa Morgana e a família real”, um texto de Alonso Alvarez e dirigida por Christiane Tricerri, com Rosi Campos e Tadeu de Pyetro; e “Raimunda, Raimunda”, de Francisco Pereira da Silva, com direção e atuação de Regina Duarte.

SERVIÇO:
SILVIO SANTOS VEM AÍ

Temporada: 18 de fevereiro a 10 de abril de 2022 

Sessões: sextas-feiras às 21h00, sábados às 16h00 e 20h00, domingos às 15h00 e 19h00

Duração do espetáculo: 2 horas e 15 minutos (com 15 minutos de intervalo)

Setores e preços:  Setor I R$150,00 – Setor 2 R$120,00 – Setor 3 75,00

Link de vendas on-line:  www.sympla.com.br
Formas de pagamento: Dinheiro, Cartão de débito e Cartão de crédito.

MdM ENTREVISTA #2: Adriano Tunes (em cartaz com Silvio Santos Vem Aí)

O MdM Entrevista dessa vez é com Adriano Tunes, em cartaz atualmente com “Silvio Santos Vem Aí” que retorna para uma nova temporada em 2022.

1) Recentemente, você esteve em cartaz como a Velha Surda em “Silvio Santos – Vem Aí” que precisou interromper sua temporada em 2020 devido a pandemia da Covid-19 e só retomou quase 1 ano e meio depois e ano que vem retorna no palco do Teatro Raul Cortez, em São Paulo. Como foi ter que “guardar” o personagem e trazê-lo depois de tanto tempo?

Foi uma angústia se perceber interrompendo uma temporada depois de um longo processo de criação. O processo de montagem de Silvio foi tão divertido quanto é sua execução, e quando recebemos a notícia de ter que parar e sem previsão de retorno foi um balde de água fria. Porém, quando soubemos do retorno, o desejo, a ansiedade, a euforia tiveram a mesma intensidade e voltamos com tanta sede que o espetáculo foi um sucesso nessa nossa primeira temporada e não será diferente no Raul Cortez.

2) Ainda em “Silvio Santos – Vem Aí” você interpreta uma personagem que originalmente era interpretada pelo ator Roni Rios. A construção de um papel que mesmo não sendo real, mas fruto da concepção de outra pessoa, é mais difícil?

Sempre! Ainda mais se tratando de um personagem de sucesso como é a Velha Surda. Não há quem não conheça a personagem e por esse motivo há uma cobrança para que a reprodução seja digna. O público sempre espera ver aquela mesma personagem que está na sua memória, então a responsabilidade é enorme.

Adriano Tunes como a Velha Surda em “Silvio Santos Vem Aí” | Foto: Kassius Trindade

3) Durante a temporada aconteceu alguma história engraçada sua nos bastidores? Conta pra gente!

Nos bastidores é uma “bagaceira”. Estamos sempre nos divertindo uns com os outros. Não me aconteceu nada especificamente, mas todos os dias estamos brincando quando não estamos em cena. O gostoso é que isso ajuda para a execução do espetáculo, pois entramos em cena com muita energia.

4) Nós também já podemos te assistir em outros grandes espetáculos como “Hebe – O Musical” e “Mamonas Assassinas”, onde em ambos você interpretou personagens biográficos. O que muda nesse caso?

A liberdade de criar. Quando criamos um personagem fictício temos a liberdade de explorar, diferente de um biográfico que você se limita em respeitar a personalidade daquela pessoa que está interpretando. Também é possível explorar esse caminho, porém com muito cuidado para não ultrapassar a barreira do bom senso.

Cena do musical “Musical Mamonas” | Divulgação / Reprodução

5) E além do Teatro Musical você participou da série de Miguel Falabella “Eu, a Vó e a Boi” interpretando Sapore, uma travesti elegante e sorridente que foi concebida especialmente pra você. Como isso aconteceu?

Segundo o Miguel, o convite surgiu de uma gargalhada minha. Quando fazíamos “Os Produtores”. Eu tenho o riso frouxo, e um dia, quase para acabar a peça, Miguel tinha que sair de uma cena e correr para colocar uma roupa de presidiário, era o tempo que eu e meus amigos do coro dançavamos vestidos também de presidiários. O Miguel entra em cena, e quando percebi ele estava tentando colocar a calça como camisa, enfiando os braços nas pernas da mesma. Quando ele percebeu, fez um de seus improvisos que eu solei numa gargalhada. Miguel me disse que nunca mais esqueceu aquela minha gargalhada e por isso quis me dar essa personagem. Claro que ele não disse com essas palavras, mas foi o que entendi. Quando li a Sapore, vi que ela representava um outro lugar. Não era uma travesti de estereótipos, era por sinal a mais sensata no meio de tantos personagens loucos na série.

Personagem Sapore em “Eu, a Vó e a Boi” | Foto: Victor Pollak.Globo

6) Depois de já ter trabalhado nos palcos e na televisão, se eu te pedisse pra escolher um formato para dedicar-se pelo resto da carreira, você conseguiria?

Impossível! E eu ainda não realizei todos os meus desejos que são muitos. Ainda quero fazer cinema, séries, novelas… vish! Quero tudo!

7) Só ao observar seu currículo sabemos, claramente, que existe uma veia cômica em você. Quando percebeu que tinha uma certa facilidade com a comédia?

A gente não percebe, a gente vai fazendo.

Fazer comédia é prática! Não se aprende o ‘fazer’ rir, se entende! É quase um sentimento que vem, uma respiração que você intuitivamente sabe que tem que dar, para na sequência fazer uma plateia inteira vir abaixo de gargalhar.

8) Mas nem só de humor se vive… Você também é o idealizador e roteirista da peça “Aos Domingos” que aborda outras camadas mais sensíveis. Foi justamente para quebrar o estigma do Adriano Tunes comediante que o espetáculo surgiu?

Estou sempre desejando algo novo, diferente. Sou inquieto neste sentido. O espetáculo surgiu do desejo de fazer algo diferente, independente do humor. Precisamos nos desafiar para adquirir bagagem e aprendizado. Além disso, é muito prazeroso sair da zona de conforto. Me cobro muito!

9) Se pudesse dar um conselho pro Adriano do passado, tendo seus primeiros contatos com as artes, o que você diria?

É isso! está no caminho certo! Vai ser difícil e demorado, mas será sólido.

10) E um conselho para o Adriano de hoje?

Continue a nadar! (rs)

SERVIÇO:
SILVIO SANTOS VEM AÍ!
Temporada: 21 de janeiro a 20 de março de 2022

Sessões: sextas-feiras às 21h00, sábados às 16h00 e 20h00, domingos às 15h00 e  19h00
Duração do espetáculo: 2 horas e 15 minutos (com 15 minutos de intervalo)

Abertura das vendas: 22 de novembro de 2021
Setores e preços:  Setor I R$150,00 – Setor 2 R$120,00 – Setor 3 75,00
Link de vendas on-line:  www.sympla.com.br
Formas de pagamento: Dinheiro, Cartão de débito e Cartão de crédito.

Confira 5 musicais que farão sessão amanhã (02/11) no feriado de Finados em São Paulo

Para quem optou por não viajar nesse feriadão, nós elencamos 5 musicais que farão sessão extra amanhã em São Paulo!

Especialmente amanhã, 02 de novembro (feriado de Finados), alguns espetáculos farão sessões extras e são uma ótima opção para quem não foi viajar e optou em ficar por São Paulo mesmo, e o Mundo dos Musicais elencou todos para que você possa escolher onde curtir o fim desse feriadão:

1- BOM DIA SEM COMPANHIA

O musical foi criado pelo escritor Vitor Rocha (de “Cargas D’Água – Um Musical de Bolso” e “O Mágico Di Ó ”) e pelo compositor Elton Towersey (de “Se Essa Lua Fosse Minha”). Com direção de Alonso Barros (de “Meu Amigo, Charlie Brown”), o espetáculo produzido pela Encanto Artístico e Enxame Produções Culturais conta a história de Vini e Lara, dois ex-apresentadores mirins que são convidados a reviver seu antigo programa em um especial que será gravado ao vivo 10 anos depois do fim da atração. Entre memórias boas e ruins, alegrias e frustrações, eles relembram os tempos em que eram amados pelo país inteiro e enfrentam as marcas que o sucesso deixou na história de cada um e na amizade deles também. Com criatividade e músicas originais até mesmo uma sessão de terapia pode ser divertida enquanto passeia por temas tão temidos e atuais como a síndrome do impostor, ansiedade, insegurança e comparação.

E o MdM invadiu os bastidores do espetáculo e você pode conferir tudinho aqui no vídeo:

Foto: Victor Miranda

SESSÃO EXTRA
Terça, 02/11 às 21h00
Teatro Viradalata
Ingressos: clique aqui

2 – SUMMER, DONNA SUMMER MUSICAL

Donna Summer Musical estreou na Broadway em março de 2018, com enorme sucesso de público e crítica. Sua montagem no Brasil tem o mesmo status de superprodução. Além das três atrizes principais e do elenco com 23 atores e bailarinos, escolhidos em audições, o espetáculo tem um imponente cenário de 260m² e 13 toneladas, construído com muitos espelhos e um impressionante jogo de iluminação. Para recriar as muitas fases da vida da cantora, o elenco usa mais de 50 perucas e cerca de 200 diferentes peças de figurino.

Karin Hils em Summer – Foto: Divulgação

SESSÃO EXTRA
Terça, 02/11 às 20h00
Teatro Santander
Ingressos: clique aqui

3 – SILVIO SANTOS VEM AÍ

O espetáculo faz um recorte na vida do apresentador e empresário Senor Abravanel (vivido pelo ator Velson D’Souza) desde sua infância, quando era camelô no Rio de Janeiro, até a década de 90, logo após a consolidação do SBT. Com personagens icônicos como Gugu Liberato, Hebe, Elke Maravilha, Wagner Montes, Bozo, Pedro de Lara entre outros, a peça promete agradar todas as gerações.

Foto: Adriano Dória 

SESSÃO EXTRA
Terça, 02/11 às 14h00 (sessão gratuita) – ESGOTADA
Terça, 02/11 às 19h00 (sessão popular) – ESGOTADA
033 Rooftop
Ingressos: clique aqui

4 – RUA AZUSA, O MUSICAL

A obra retrata a trajetória da segregação racial nos EUA, no início do século XX. Trazendo a história do avivalista William Seymour que teve um importante papel na luta pela unidade social. Negro, descendente de escravo, filho de um homem que lutou na guerra civil Americana, em uma época nos Estados Unidos onde brancos e negros não podiam conviver, diante de tantos preconceitos e privações sofridos apenas por sua origem, ele traz à vida um local onde não existe distinção, brancos e negros se misturam esquecendo de suas diferenças e quebrando barreiras raciais através de uma força invisível que estremeceu o estado da Califórnia mais do que o grande terremoto em São Francisco. A história é contada em narrativa contemporânea, o que faz com que seus espectadores sintam diversas emoções ao longo do espetáculo.

Foto: Wendy Vatanabe Cruz/Divulgação

SESSÃO EXTRA
Terça, 02/11 às 14h00
Teatro Nissi (antigo Teatro Brigadeiro)
Ingressos: clique aqui

5 – ASSASSINATO PARA DOIS

Esse não é exatamente uma sessão extra, uma vez que a estreia do espetáculo acontecerá amanhã (02/11) e segue em cartaz sempre às terças e quartas. O musical é uma comédia de suspense policial de Kellen Blair e  Joe Kinosian, que nos remete à narrativa de Agatha Christie.  Escrito para dois atores, cantores e pianistas excepcionais, faz a plateia acompanhar atentamente os acontecimentos, rindo em vários momentos, ficando extasiada em outros e, sobretudo, se entretendo com o crime que acontece numa festa, onde todos envolvidos são suspeitos. Com direção de Zé Henrique de Paula e direção musical de Fernanda Maia, a montagem brasileira traz Thiago Perticarrari como o policial que investiga esse assassinato e Marcel Octavio, que assume o papel de todos os suspeitos e outros personagens que permeiam a história. 

'Assassinato para dois' estreia em São Paulo
Foto: Caio Calucci

ESTREIA AMANHÃ
Terça, 02/11 às 20h00
Teatro das Artes (Shopping Eldorado)
Ingressos: clique aqui