4º Mundo dos Musicais Convida: Nautopia

Já pensou em assistir um musical autoral, com um elenco de grandes estrelas dos musicais, no teatro mais moderno e tecnológico de São Paulo, cercado de fãs de musicais, participar de um episódio de um podcast e ainda curtir uma programação especial com o elenco?

Continue Lendo “4º Mundo dos Musicais Convida: Nautopia”

Musical brasileiro “Nautopia” estreia em São Paulo, no próximo dia 01/abr

Trabalho autoral é o primeiro grande musical do Teatro B32, na Faria Lima, e conta com Beto Sargentelli, Eline Porto, Jonathas Joba e grande elenco.

Estreia no dia 1º de abril um novo espetáculo autoral no Brasil: “Nautopia”. Em grande estilo, coube à primeira produção associada da Pulsar Ideias, Eureka Entretenimento e H Produções Culturais dar início a primeira temporada teatral do espaço cultural mais moderno e tecnológico de São Paulo, o Teatro B32, inaugurado há poucos meses e localizado no nobre endereço da Avenida Brigadeiro Faria Lima, na capital paulista.

Nautopia” é o sétimo musical escrito pelo autor, compositor, performer e produtor paulistano Daniel Salve, que traz no currículo produções que fazem com que seu nome se funda ao processo de revitalização do teatro musical brasileiro em meados da década de 2000. Na obra, o multiartista, que pode ser conhecido ainda por outros marcos de carreira, como integrar o elenco de “Rent”, em 1999, ou pela direção artística de espetáculos da Walt Disney Company no Brasil há 17 anos, assina o texto, o score original (com 24 composições inéditas) e a direção geral da montagem, que conta ainda com direção musical de Diego Salles e direção de movimento de Olívia Branco.

Fotos dos ensaios do espetáculo | Créditos: Caio Galucci

Apresentado por 26 atores acompanhados de 10 músicos, o musical é estrelado pelo veterano Beto Sargentelli, que já esteve à frente de outros espetáculos, como o nacional “Dois Filhos de Francisco”, além das montagens brasileiras de grandes produções como “Billy Elliot”, “A Família Addams”, “Mudança de Hábito”, “Os Últimos 5 Anos” – seu debut como produtor, sendo também por ele eleito Melhor Ator no Prêmio Bibi Ferreira -, e, em breve, em “West Side Story”, no papel protagonista.

A obra narra a trajetória de Tomás (Beto Sargentelli), um jovem navegante que parte de sua terra natal, o idílico Vale da Utopia, no litoral de Santa Catarina, para um exílio em Paraty (RJ) após o misterioso desaparecimento de sua irmã Clara. Na nova vida, o jovem se envolve com a mergulhadora Iara, disposta a abraçar seus sonhos utópicos de um novo futuro.

Os planos de Tomás mudam ao receber a notícia da doença fatídica que acometeu Rocha, seu padrinho e pai de criação, o que o leva de volta ao Vale da Utopia para lidar com seus demônios internos e encontrar antigos fantasmas, como a obstinada Selena, sua namorada da juventude, que ainda mexe com suas emoções.

O passado e o presente se misturam na obra, que estabelece conexões com o clássico “A Utopia” (1516), de Thomas More (1478-1535), para retratar o eterno retorno ao lar do jovem que busca a cura por meio do enfrentamento com seu passado e seus fantasmas internos e externos. 

Projeto de longa data

O musical nasceu bem antes da sua “pré-estreia”, habitando o imaginário de Salve há cinco anos, porém, só em 2020, quando foi apresentado a um público restrito em uma oficina experimental, em São Paulo, é que as personagens e suas tramas, diretas e indiretas, começaram a ganhar vida e camadas mais profundas, dando sentido aos sentimentos e intenções que dialogam com a proposta reflexiva do projeto, lapidado desde então, até tomar a forma que o público poderá conferir no palco.

A ideia é contar uma narrativa genuinamente brasileira, fugindo, contudo, dos clichês mais comuns da nossa identidade cultural. “É comum vermos no Brasil espetáculos com tramas universais, mas que se passam em cenários externos, com referências geográficas distantes da nossa realidade. Com ‘Nautopia’, queremos falar desses anseios universais da humanidade, mas com cores e tons locais”, chama atenção o autor e idealizador.

A obra é considerada pelo próprio autor como seu texto mais maduro até então. “Hoje me sinto mais maduro para contar essa história. Penso que todos os outros projetos que já fiz serviram como um treinamento para trazer ao público essa narrativa tão complexa, que passou por um processo minucioso de cinco anos de pesquisa e desenvolvimento. Ao longo de oficinas, laboratórios e workshops, eu passei a investigar as relações humanas dessa comunidade fictícia estabelecida no litoral de Santa Catarina, encontrando pouco a pouco a trama que queria se apresentar”, explica Daniel, que reitera o desafio atual: “como falar sobre utopias em tempos de distopia?”.

Além desta missão, o espetáculo tem outra grande responsabilidade: ser a primeira obra de temporada a se apresentar no Teatro B32, inaugurado em novembro de 2021 e que desde então vem recebendo eventos pontuais. “O B32 se tornou um grande parceiro na realização desse projeto totalmente independente, sem uso de leis de incentivo ou editais. Estamos seguindo um caminho desafiador, mas que permite acreditar que formas alternativas de produção são possíveis e podem abrir caminhos para que mais projetos autorais e independentes possam surgir no cenário cultural”, expressa Alexandre Bissoli, sócio do projeto e diretor de produção do espetáculo.

Espetáculo colaborativo

Habituado a trabalhar com obras de companhias, Salve escolheu escrever um espetáculo para um grande elenco, deixando margem para que cada um dos membros tenha oportunidade de brilhar no palco. Desse grupo, há participantes, inclusive, envolvidos desde os primeiros workshops realizados, o que leva o idealizador a crer que, a passagem de cada artista ao longo do processo, contribuiu para o resultado final.

Eu acredito que a história do próprio espetáculo se confunde com a trajetória das pessoas que passaram por esse projeto, porque estamos falando de sonho, de perseverança e resiliência para atingir um lugar que muitas vezes nem todo mundo consegue ver, mas que acreditamos que conseguiremos chegar”, explica Salve.

Assim como seu personagem em cena, Beto encontra pontos em comum com sua própria trajetória artística e pessoal.Para mim, está fazendo muito sentido contar essa história, nesse momento da minha carreira. O Tomás passa o espetáculo todo tentando entender qual seu objetivo na vida. Tem sido uma descoberta diária para mim esse personagem e, apesar da pandemia, tudo fluiu de maneira muito natural. E aqui a gente ainda é polivalente, como ator e produtor – o que é muito gostoso e prazeroso, ainda que exaustivo. Acho que todas as produções das quais fiz parte me ensinaram sobre o estilo de produzir que eu queria ter, pois, apesar da pouca idade, foi minha experiência, em mais de 15 anos de carreira, que me ensinou sobre o que fazer e o que não fazer, me levando a ter um olhar mais carinhoso para as pessoas que estão nessa comigo. Tem sido uma troca maravilhosa”, conta Beto.

O elenco, que se divide em dois tempos na trama, traz os “Filhos do Vale”, representados por Beto Sargentelli no papel de Tomás, Sofia Savietto como Clara, Eline Porto como Selena, Gabriel Camillo como Tadeu, José Diaz como Elias, Bia Anjinho como Isabel e Yudchi Taniguti como Cauã, e “Os Pioneiros”, composto por Jonathas Joba como Rocha, Aurora Dias como Lúcia, Neusa Romano como Zara, Max Grácio como João, Nani Porto como Fátima, Bruno Vaz como Jovem Rocha, Elá Marinho como Jovem Zara e Dara Galvão como Jovem Lúcia. Completam o time Luana Zehnun como Iara, Nina Vettá como Helô e Rafael de Castro como Zarolho, Mau Alves, Bel Nobre, Daniella Biancalana, Alessandro Balbi, Gabriela Gonzales, Daruã Góes, Dalia Halegua e Henrique de Paula.

“Estou tendo o privilégio de dar vida a um personagem pela primeira vez, de originar um papel no mundo, e isso é muito especial. Tomás me leva a um grande desafio como ator, na interpretação, por ser extremamente dramático, o que exige muitas potencialidades ao explorar várias nuances, e também vocalmente. Estou ansioso para mostrar esse trabalho, que é diferente de tudo que já fiz, seguindo a linha do que busco na minha carreira, através de construções genuínas e com olhares fora do comum. Acho que esse velejador agregará muito na minha jornada”, conta Sargentelli, que partilha do elo espiritual e da paixão pelo mar com o herói da trama.


Para ver “Nautopia” sair do sonho e virar realidade nos palcos, o trio de produtores e realizadores se uniu à um time de renomados criativos, conhecidos no mercado de teatro musical como Theodoro Cochrane na assinatura dos Figurinos, Duda Arruk na Cenografia, Caetano Vilela no Desenho de Luz, e Fernando Fortes e Tocko Michelazzo no Desenho de Som.

FICHA TÉCNICA:

Texto, Música e Encenação: Daniel Salve

Direção Musical: Diego Salles

Direção de Movimento: Olívia Branco

Assistente de Direção: Roberto Borges

Figurinos: Theodoro Cochrane

Execução do Projeto de Cenografia: Universo Cenotécnica

Direção de Produção: Alexandre Bissoli

Ass. de Produção: Jessyca Rianho e Bianca Ricci

Assessoria de Imprensa: Grazy Pisacane | GPress Comunicação

Produtores Associados: Alexandre Bissoli (Eureka Entretenimento), Daniel Salve (Pulsar Ideias) e Beto Sargentelli (H Produções Culturais).

SERVIÇO:

NAUTOPIA
Local: Teatro B32 | Avenida Brigadeiro Faria Lima, 3732
Temporada: de 01/04 a 29/05/22
– Sextas às 20h30 | Sábados às 16h e às 20h30 | Domingos às 19h
Duração: aprox. 180min. (com intervalo)
Classificação: 12 anos
Ingressos: A partir de R$50,00 (meia) a R$220,00 (inteira)
Vendas: site do teatro: teatrob32.com.br